Projeto “Meu Amigo Comunitário!” garante apoio e cuidados às colônias de animais por toda a cidade. Foto: Divulgação

A Prefeitura do Rio, por meio da Subsecretaria Municipal de Bem-Estar Animal (Subem), esteve na manhã desta segunda-feira, dia 03/08, em Vila Valqueire para uma ação com os gatos da praça Rubiácea. A equipe da Subem capturou os animais para castrá-los e microchipar na Fazenda Modelo e depois devolver à colônia.

Essa ação faz parte do projeto “Meu Amigo Comunitário!”, uma rede voluntária de apoio e cuidados às colônias de animais por toda a cidade. O projeto foi criado para dar suporte à população que cuida dos chamados animais comunitários. E qualquer um que cuide e alimente dois ou mais animais de rua pode se cadastrar.

Com o cadastro da colônia, é possível mapear os animais de rua, enviar uma equipe médica veterinária ao local para avaliar as condições de saúde e planejar suas castrações. O animal recebe um microchip subcutâneo de identificação e têm sua orelha marcada para sinalizar que já é castrado.

– Muitas pessoas que cuidam dos animais não sabem da existência desse projeto de castração, que tem vaga separadas em nossas unidades. Programamos de acordo com o planejamento, que é feito juntamente com o responsável cadastrado na colônia. Isso possibilita a contenção do crescimento dos animais de rua. Precisamos da ajuda das pessoas que amam os animais, só assim, juntos pelo mesmo ideal, conseguiremos avançar nos cuidados – explica o subsecretário de Bem-Estar Animal, Roberto de Paula.

Ele destaca o trabalho fundamental dos protetores no cuidado e na alimentação dos animais das colônias, especialmente nesse tempo de isolamento social:

– Por morarem próximos e por atuarem nessas colônias, essas pessoas têm dado total acolhimento aos animais – diz.

A jornalista Margareth Alves, protetora cadastrada na Subsecretaria e uma das responsáveis pela colônia do Teatro de Marionetes, no Aterro do Flamengo, ao lado da museóloga Marilza Riça, destaca o apoio da Prefeitura à causa:

– Cuidar de animais de rua sempre é um trabalho árduo. Temos uma equipe forte, incansável. E, nestes momentos difíceis, encontramos apoio incondicional da Subem – diz.

Elas conseguiram manter o serviço, mesmo com as regras de afastamento social, graças à adoção de medidas pela Subem, que forneceu um documento de autorização de acesso aos locais onde estão as colônias e passe-livre no transporte público.

– Nossa preocupação com a pandemia cresceu pelo receio de não podermos alimentar os animais do parque em caso de lockdown. Mas, com a ajuda da Subem, foi possível continuar nosso trabalho. Todos os protetores devidamente equipados com máscaras e luvas – explica Margareth, que desde 2004 ajuda a cuidar dos gatos da colônia do Aterro.

As colônias

Por todo o Rio de Janeiro, já existem 64 colônias cadastradas – todas de felinos -, com aproximadamente 4 mil animais sendo atendidos por 94 responsáveis e 49 voluntários. Destas, 21 estão com suas populações controladas, através de diferentes ações e diversos cuidados sanitários, como castração, por exemplo.
Os principais pontos de colônias pela cidade são bastante conhecidos e bem apreciados pelos frequentadores e amantes dos animais. Com destaque para os grupos no Campo de Santana, Aterro do Flamengo, Maracanã e na área ao redor da sede da Prefeitura do Rio, na Cidade Nova. Mas engana-se quem pensa que todas as colônias são compostas por felinos. Há algumas formadas por cães também. São poucas, mas elas existem.

Como se cadastrar

Se você já cuida dos animais do seu bairro e quer se cadastrar no Projeto, é só comparecer na Prefeitura do Rio, com original e cópia da Identidade, CPF, comprovante de residência, duas fotos 3×4, fotos dos animais e da localização deles e endereço da colônia. O atendimento é feito de segunda a sexta-feira, de 10h às 16h, na Rua Afonso Cavalcanti 455 – Prédio Anexo – 8° andar – Ala A – Sala 845 – Cidade Nova. Informações pelo WhatsApp: (21) 99399-3968 ou nas redes sociais através da página Subem Oficial.

Amor aos bichos

No mês passado, a Câmara de Vereadores do Rio aprovou o Projeto de Lei nº 1808/2020, que obriga a Prefeitura, por meio da Subem, a distribuir ração aos animais de rua, aos cuidados de seus protetores ou tutores, e aos abrigos em dificuldade.

– Tem sido um árduo trabalho cuidar de nossos animais. E a distribuição de ração pela Prefeitura é muito importante. É fundamental para sobrevivência dos animais comunitários. Em meio à pandemia, muitas pessoas que ajudavam, e mesmo algumas protetoras, perderam suas rendas. Nós precisamos apoiar essas pessoas que dedicam seu tempo, suas vidas, por amor aos animais – diz o vereador Luiz Carlos Ramos Filho, autor principal da Lei e presidente da Comissão de Direito dos Animais.

Mais

Notícias

Load More Related Articles
Load More By - redação
Load More In Rio de Janeiro
Comments are closed.

Check Also

Prefeitura formaliza criação do Centro Integrado de Mobilidade Urbana

Objetivo é promover ações de planejamento e operação dos transportes, por meio de soluções…