Home Entretenimento Curiosidades Joanna Maranhão explica por que evita dizer que está “completa” com chegada do 1º filho

Joanna Maranhão explica por que evita dizer que está “completa” com chegada do 1º filho

6 min read
0
Quer receber as principais notícias do NH TV pelo Facebook Messenger? Inscreva-se agora.

Joanna Maranhão acaba de estrear como mãe e já está curtindo cada nova descoberta ao lado de seu filho, Caetano. Ao falar um pouco sobre as emoções que sentiu no parto e também nos primeiros dias com o recém-nascido, a ex-nadadora fez uma reflexão emotiva que acabou tocando em uma questão muito delicada.

Em diversos vídeos publicados nos Stories do Instagram, a nova mamãe do pedaço contou que o nascimento de seu bebê foi algo transformador em sua vida. Joanna deu à luz seu primeiro herdeiro, fruto do relacionamento com o judoca Luciano Corrêa, na noite do dia 9 de agosto de 2019, em Recife (PE).

“Parir é uma experiência onde a gente se encontra e se distancia de si a todo momento. É bem forte. De um dia para outro, a gente muda de uma forma que não se reconhece tanto como era antes”, disse ela com os olhos mareados e a voz embargada.

Em seguida, a ex-atleta olímpica comentou sobre o amor que vem sentido pelo filho em tão pouco tempo e acabou entrando em um assunto que afeta muitas mulheres, especialmente aquelas que tiveram filhos ou que têm planos de engravidar. Além de forte, o ponto levantado por Joanna pode fazer a diferença para muita gente. Entenda:

Mulheres se tornam completas com filhos?

Segurando seu bebezinho no colo, Joanna gravou uma sequência de vídeos para falar sobre responsabilidade afetiva. Neles, a ex-nadadora levantou a questão das mulheres que dizem se sentir “completas” após o nascimento de um filho e refletiu sobre o impacto que isso pode ter na vida de muita gente.

“Uma coisa que eu tenho tentado tomar bastante cuidado é de não enveredar pelo caminho de passar a imagem de que a minha vida não era completa antes e que minha vida está completa agora porque tenho esse filho. Minha vida sempre foi completa, com ou sem Luciano, com ou sem Caetano. O que acontece é que ela se expande”, afirmou.

Seguindo seu raciocínio, Joanna declarou que esse tipo de pensamento é perigoso por alimentar uma maternidade compulsória, estimulando as mulheres a se tornarem mães por causa uma pressão social, para que elas se sintam aceitas e bem consigo mesmas.

Em seu relato, a ex-atleta também fez um apelo em prol da solidariedade com as mulheres que não podem ter filhos e também com aquelas que sofreram algum tipo de perda gestacional. Para isso, ela usou sua própria experiência como exemplo, falando de quando sofreu um aborto espontâneo.

“Você tem todo direito de se sentir [completa]. Mas pense na situação de outras mulheres, que não têm a mesma história que você. Eu, que já passei por uma perda gestacional antes. Você está naquele limbo, naquela dor, e aí você vê uma mulher falar que a vida dela está completa porque nasceu o filho. E você pensa: ‘Realmente, esse lugar é uma merda, eu sou uma merda e nunca vou sair daqui’. Então, cuidado, gente. É importante ter responsabilidade afetiva e ficar atento a isso”, concluiu.

Filho de Joanna Maranhão

Fonte: Vix

Load More Related Articles
Load More By - redação
Load More In Curiosidades
Comments are closed.

Check Also

Em Paulínia, todos os assentos são preferenciais