Home Destaque Sentimentos Como converter sua mente de inimiga em aliada

Como converter sua mente de inimiga em aliada

17 min read
0
Quer receber as principais notícias do NH TV pelo Facebook Messenger? Inscreva-se agora.

Cada um de nós ocupa dois mundos. Existe o mundo exterior de pessoas, lugares e coisas, e existe o mundo interior de nossos pensamentos, sentimentos, sensações e intuições. O mundo exterior que compartilhamos com os outros, enquanto nosso mundo interior é um lugar onde estamos sozinhos.

Esses dois mundos também diferem nas habilidades necessárias para sua navegação. Podemos ser um grande sucesso no mundo externo e, ao mesmo tempo, sermos destruídos por um imenso sofrimento interior. Por outro lado, o mundo pode estar desmoronando à nossa volta, mas se aprendemos a conquistar nossa psique, ainda podemos existir em relativa paz.

Nos nossos dias, onde o sucesso é medido principalmente por métricas externas, a maioria de nós dedica mais energia para conquistar o mundo fora de nós do que para dominar o mundo interior. Mas essa escolha pode resultar em grandes custos, pois nosso mundo interior é o único lugar de onde a fuga é impossível e, portanto, a qualidade de nossa vida sempre depende do estado de nossa psique.

“Nem tudo o que é enfrentado pode ser alterado, mas nada pode ser alterado até que seja enfrentado. — James Baldwin

O primeiro passo para alcançar um domínio maior de nosso mundo interior é parar de negar, ignorar ou entorpecer-nos dos eventos de nossa psique. Muitas pessoas, com medo ou vergonha do que vêem, recorrem a drogas e álcool, ou outros mecanismos de defesa, para acalmar qualquer conflito psíquico.

Mas quanto mais nos isolamos do nosso mundo interior, mais criamos uma ameaça do que deve ser nosso maior aliado. O caminho para a harmonia interior sempre passa por nossos conflitos psíquicos, pois a negação apenas fará com que esses conflitos se intensifiquem.

Se a vergonha está nos impedindo de admitir nossos problemas psicológicos, pode ser útil perceber que a discórdia psicológica é muito mais a norma do que a exceção e que os demônios internos são apenas uma parte inevitável do que significa ser humano.

Ao iniciarmos esse processo de abertura ao mundo interior, podemos ter medo do que descobrimos. Por mais tempo que gastamos negando o que está acontecendo, menos confortáveis ​​ficaremos com os pensamentos estranhos e as emoções perturbadoras que podem surgir.

Podemos até nos perguntar se o estado de nossa psique está tão desarrumado que é possível uma queda na loucura. O psicólogo Carl Jung notou que muitos de seus pacientes tinham essa mesma preocupação, mas ele acreditava que essa preocupação poderia ser atenuada quando reconhecemos que essa é apenas uma fase natural do processo de crescimento interno:

“Quando um paciente começa a sentir a natureza inevitável de seu desenvolvimento interior, ele pode ser facilmente vencido por um medo de pânico de que está deslizando impotente para algum tipo de loucura que ele não consegue mais entender. Mais de uma vez tive que pegar um livro em minhas prateleiras. . mostrar ao meu paciente sua aterrorizante fantasia na forma em que apareceu quatrocentos anos atrás. Isso tem um efeito calmante, porque o paciente vê que não está sozinho em um mundo estranho que ninguém entende, mas faz parte do grande fluxo da história da humanidade, que experimentou inúmeras vezes as mesmas coisas que considera uma prova patológica. de sua loucura. “

Carl Jung

Uma vez que estamos dispostos a enfrentar o que está ocorrendo em nossa psique, podemos determinar o que está causando nossa discórdia interna.
Somos prejudicados pela ansiedade e pela insegurança, somos consumidos pela desesperança e pela depressão, ou pensamentos intrusivos assombram todos os nossos movimentos? Identificar o que está errado conosco é muito mais importante do que responder à pergunta “por que somos do jeito que somos”.

Tentar resolver o enigma do ‘porquê’ muitas vezes nos leva a uma busca interminável que apenas produz autopiedade, ressentimento e nenhuma resposta clara. Mas se respondermos à pergunta sobre o que exatamente está nos afligindo, poderemos concentrar nossa atenção na elaboração de estratégias para superar nossos problemas.

As estratégias que elaboramos, no entanto, devem obedecer a um critério primordial – elas devem introduzir um grau tangível de novidade em nossa vida. Mais do mesmo perpetuará apenas nossos problemas e, portanto, nosso objetivo, neste estágio, é procurar técnicas e ferramentas que mudem a maneira como experimentamos e interagimos com nosso mundo interior.

Mas quais ferramentas funcionarão melhor para nós nunca podem ser conhecidas com antecedência. Com demasiada frequência, as pessoas vêem doenças psicológicas exatamente como as do corpo físico. Todos compartilhamos a mesma estrutura geral do corpo e, portanto, a cura para uma perna quebrada, uma infecção ou um vírus exigirá etapas semelhantes para cada um de nós.

Mas, ao procurar maneiras de superar os conflitos de nosso mundo interior, precisamos reconhecer que, embora exista uma uniformidade em nossa psique, não há unidade. Por um lado, nossa psique é esculpida por nossa natureza humana e isso produz o lado coletivo do homem. Mas também somos indivíduos.

Não há duas pessoas que compartilhem o mesmo ambiente, genes, história de vida, objetivos ou forças e fraquezas inatas, e essa individualidade produz uma configuração única para o terreno do nosso mundo interior e requer uma abordagem idiossincrática de tentativa e erro para o domínio da nossa psique. Pois, como Jung nunca se cansou de afirmar, não existe uma psicologia que nos defina a todos, nem um conjunto de técnicas psicológicas que serão universalmente eficazes.

“Falar de uma ciência da psicologia individual já é uma contradição em termos. É apenas o elemento coletivo na psicologia de um indivíduo que constitui um objeto para a ciência; pois o indivíduo é, por definição, algo único que não pode ser comparado a qualquer outra coisa. Um psicólogo que professa uma psicologia individual “científica” está simplesmente negando a psicologia individual. Ele expõe sua psicologia individual à suspeita legítima de ser apenas sua própria psicologia. A psicologia de todo indivíduo precisaria de seu próprio manual, pois o manual geral pode lidar apenas com a psicologia coletiva. ”

Carl Jung

Richard Bach ecoou o sentimento de Jung quando disse que, se houvesse um manual escrito para “almas avançadas”, teria que terminar com as seguintes palavras: “Tudo neste livro pode estar errado.”

Podemos pedir conselhos às pessoas e usar as ferramentas que elas criaram, mas o que funcionará melhor para a nossa situação atual é que vamos descobrir. Se tentarmos uma técnica que outros usaram com grande sucesso e pouco nos ajudar, não devemos tomar isso como um sinal de que somos incuráveis, isso significa apenas que precisamos de uma ferramenta diferente para escapar do abismo de nossa mente. Se realmente desejamos atingir um nível de domínio sobre nossa psique, devemos experimentar técnicas que funcionam nas três principais formas de experiência humana: nossos comportamentos, pensamentos e emoções:

“Os behavioristas favoreceram o comportamento como a força primária na experiência humana e argumentaram que mudanças na atividade motora produzem mudanças nas atitudes e afetam.

Os cognitivistas se uniram ao poder primário do pensamento e argumentaram que as mudanças no pensamento produzem mudanças no comportamento e no sentimento. O terceiro grupo – diferentemente chamado de “humanistas”, “experiencialistas” e terapeutas “evocativos” – afirmou a primazia da emocionalidade na condução dos outros dois reinos… Não surpreendentemente, cada grupo endossou uma ênfase diferente nos serviços psicológicos.

Os behavioristas enfatizaram a ação, os cognitivistas foram parciais com o insight e a reflexão, e os humanistas incentivaram a experiência e a expressão emocional. ”

Michael Mahoney

Felizmente, existem técnicas comportamentais, cognitivas e experimentais que abordam todas as formas mais comuns de sofrimento psicológico e, portanto, não faltam ferramentas à nossa disposição. Nós apenas precisamos procurá-las, experimentar uma variedade delas e explorar os ganhos dessas técnicas que têm um efeito positivo em nossa vida.

Quando começamos essa jornada de tentativa e erro, existe uma mudança simples em nossa mentalidade que pode nos ajudar a permanecer persistentes e isso está aprendendo a levar a vida um pouco menos a sério. Pois enquanto WB Yeats pode ter afirmado que “só podemos começar a viver quando concebemos a vida como tragédia”, pode ser mais verdadeiro dizer que “só podemos começar a viver quando concebemos a vida como comédia”.

Muitas pessoas são pesadamente perpetuadas por seus medos, ansiedades, dúvidas e hostilidades, porque vêem tudo o que lhes acontece como tendo implicações destruidoras da vida. Mas com essa mentalidade, colocamos o peso do mundo em nossos ombros e, ao fazê-lo, somos inevitavelmente esmagados. Para nos conceder uma leveza ao nosso passo que pode nos energizar e encorajar à medida que lutamos para superar nossos demônios internos e criar um estado mais harmonioso de nosso mundo interior, devemos tentar algo diferente: devemos rir da escuridão de nossos pensamentos, sorria no momento de um medo ou sinta-se animado com a onda de ansiedade.

Esse artigo foi transcrito e traduzido a partir do vídeo (Em Inglês) How to Turn Your Mind from an Enemy to an Ally

Load More Related Articles
Load More By - redação
Load More In Sentimentos
Comments are closed.

Check Also

Benditos sejam todos os que desejam o bem

Bendita seja a pessoa que consegue afagar, em vez de apedrejar.  Bendito seja quem dá…