Connect with us

Monte Mor

Boletim 178/21Boletim 178/21

Artigo

em

A Secretaria da Saúde de Monte Mor informa os números Covid-19, boletim 178/21 de 14 de setembro. Hoje foram realizados 49 novos exames, foram confirmados 2 novos casos e, infelizmente, 1 novo óbito. O número total de exames realizados é de 24.374, com 16.618 casos negativos e 7.756 casos positivos. Não há pessoas esperando o resultado do exame. O número de pessoas curadas é de 7.522. O número de óbitos é de 213 pessoas. São 21 pessoas hospitalizadas e 78 em isolamento domiciliar.

Também informa que foram aplicadas 76.552 vacinas, sendo 49.851 de primeira dose e 24.859 de segunda dose, e 1.842 vacinas de dose única. 

LEIA TAMBÉM

A Secretaria da Saúde lembra a todos a importância do uso de máscara, a higienização das mãos com água e sabão ou álcool em gel e o distanciamento social.

Monte Mor

Maio LaranjaMaio Laranja

Artigo

em

Por

Para marcar o Dia Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes e a Campanha Maio Laranja, a Prefeitura de Monte Mor lança nesta terça-feira o vídeo baixo. Assista, reflita e denuncie, Disk 100 ou Conselho Tutelar 3879-2314.

Em apoio ao Conselho Tutelar, o objetivo da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Social é impactar, conscientizar e chamar a atenção da população para o problema social. Cabe a cada um ficar alerta aos sinais e não ter medo de fazer sua parte. Avise se presenciar ou testemunhar, mesmo que à distância, qualquer ato de violência sexual, seja ele, abuso sexual intrafamiliar e extrafamiliar e/ou exploração sexual e comercial de crianças e adolescentes.

LEIA TAMBÉM

Esta faceta da violência, apresenta-se de maneira desigual e é estabelecida pelas relações de poder, mando e obediência.

Continue lendo

Monte Mor

100 anos de Paulo Freire: veja 6 ensinamentos do educador que ainda são atuais

Artigo

em

Por

LEIA TAMBÉM

O educador e filósofo Paulo Freire posa para foto durante entrevista concedida para o Grupo Estado em SP, em 1993. — Foto: Clovis Cranchi/Estadão Conteúdo/Arquivo

Neste 19 de setembro de 2021, o recifense Paulo Freire completaria 100 anos. Segundo estudiosos ouvidos pelo G1, as ideias do educador continuam representando um norte para escolas e universidades que veem a sala de aula como mecanismo de transformação social.

“Por vivermos tempos repressivos, o legado dele volta ainda com mais força”, afirma Walkyria Monte Mór, professora da Universidade de São Paulo (USP) e membro do Projeto Nacional de Letramentos: Linguagem, Cultura, Educação e Tecnologia.

LEIA TAMBÉM:

Educador Paulo Freire faria cem anos neste domingo

Educador Paulo Freire faria cem anos neste domingo

Desde 2012, Freire passou a ser considerado por lei o “Patrono da Educação Brasileira”. Seu trabalho é reconhecido mundialmente: ele tem títulos em 41 instituições de ensino, como nas universidades de Harvard, Cambridge e Oxford.

Em livros como “Pedagogia do Oprimido”, o mais famoso deles, o autor defende o papel primordial da educação no processo de conscientizar o povo e levá-lo ao senso crítico.

Abaixo, veja em que aspectos o legado de Paulo Freire ainda pode ser considerado atual, na visão de três professores que estudam sua obra:

1- Importância de compreender a realidade do aluno

Freire defendia a teoria chamada “pedagogia do afeto”, explica Kleber Silva, professor da Universidade de Brasília (UnB).

“Ele dizia que o professor deveria ser sensível à história de vida dos alunos, resgatando seus sofrimentos, mazelas e cicatrizes. A partir dessa vivência, o conhecimento seria construído.”

Na prática, isso ocorreria por meio do diálogo aberto, com empatia e constantes trocas de conhecimento.

Pensando em um contexto atual: para uma aprendizagem efetiva, um professor que recebe os alunos nas salas de aula, após mais de um ano de escolas fechadas, não deve se atentar somente ao cumprimento de currículos. Precisa praticar a afetividade e “abrir a porta” para a conversa.

Dessa forma, para Freire, o estudante entenderá que também pode contribuir com o desenvolvimento de todos, descobrirá mais sobre sua identidade e ficará mais interessado e criativo.

Paulo Freire concede entrevista ao Jornal da Tarde, ao voltar do exílio (1979), em sua casa na cidade de São Paulo. — Foto: João Pires/Estadão Conteúdo/Arquivo

2- Alfabetização de adultos

Nas décadas de 1950 e 1960, Freire dedicou-se à educação de adultos em áreas proletárias (urbanas e rurais) de Pernambuco.

Pelo método de alfabetização que até hoje leva seu nome (e que foi colocado em prática pela primeira vez em Angicos, no Rio Grande do Norte, em 1962), as aulas partem de elementos do cotidiano dos alunos analfabetos.

Em vez de tomar como base “frases feitas” de apostilas, como “o bebê babou”, o educador baseia-se no vocabulário que faz parte do dia a dia do trabalhador: “cana”, “enxada”, “terra” e “colheita”, no caso de uma turma de agricultores.

“É tudo feito a partir do contexto-realidade dos alunos. O método fônico, por exemplo, defendido pelo governo atualmente, foca o processo de alfabetização nos sons, a partir de frases distantes da realidade das crianças. Freire defende o contrário: que as aulas trabalhem a partir do contexto dos alunos”, diz a professora da USP.

3- Formação de cidadãos críticos

Monte Mór, docente da USP, afirma que, pelos ensinamentos de Paulo Freire, “o aluno percebe que tudo o que aprende é fruto do olhar de certas pessoas.”

“Os estudantes precisam ter essa consciência sobre ponto de vista, para aprenderem a ter outras perspectivas de um mesmo fato e chegarem ao desenvolvimento do senso crítico”, explica.

Esse aspecto da obra freireana é o que gera tanta resistência de certos grupos ideológicos, segundo a professora. O ex-ministro Abraham Weintraub, por exemplo, chegou a dizer que o pedagogo “representa o fracasso total e absoluto” dos índices de educação no Brasil.

“Paulo Freire foi um revolucionário que tentou mostrar as mazelas sociais. Quanto mais tivermos seres pensantes, menos isso é interessante para quem está no poder”, afirma Rosana Nunes, pesquisadora da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

“A partir do momento em que temos alunos problematizadores, que não aceitam de imediato o que é ensinado, teremos menos pessoas alienadas. Isso nem sempre é interessante para a política brasileira”, diz.

4- Combate às fake news

Freire pregava que a educação deveria ser um processo bilateral, em que o professor também “é um aluno”. É um combate à ideia da educação tradicional, em que o docente ensina, e o os estudantes são “receptáculos vazios” que apenas escutam o que é dito.

“Um aluno com consciência freireana lê um texto e reage; não aceita fake news, porque tem senso crítico. Vai captar o que é dito [em uma mensagem falsa] e ver o que está por trás disso, com que interesse foi produzido, em qual contexto”, exemplifica Silva, da UnB.

5- Respeito às diferenças

Walkyria Monte Mór expõe que a pedagogia de Paulo Freire “ajuda a construir a identidade das pessoas”.

“Elas entendem que existiu um projeto [na educação tradicional] de instituir o que é certo e o que é errado. Passam a perceber que há outras formas e ideias que não podem ser consideradas inferiores.”

Um exemplo apresentado por Monte Mór é o ensino da gramática normativa. Dependendo de como a aula for ministrada, o estudante pode entender que determinados modos de falar e escrever são menos respeitáveis do que aqueles que obedecem à norma padrão da língua.

“Quando a gente entende que existem diferenças culturais e subjetivas, começa a formar jovens mais tolerantes”, diz a professora.

6- Empoderamento dos mais pobres

Quando Freire escreve que a educação é para todos, “refere-se aos que estão à margem da sociedade”, explica Silva, da UnB. “São os indígenas, os surdos, os pobres, os negros. É dar oportunidade e empoderar essas pessoas por meio da educação.”

Segundo Walkyria Monte Mor, a política de cotas em universidades, por exemplo, é um movimento freireano.

“Aos poucos, estamos nos abrindo para esse processo de mudança.”

CENTENÁRIO DE PAULO FREIRE

Vídeos de Educação

A seguir, veja vídeos das lives do “G1 Enem”:

Desafio de biologia

Desafio de química

Redações nota mil

Outros vídeos

Continue lendo

Monte Mor

Habitação Indígena é construída no Museu Municipal de Monte MorHabitação Indígena é construída no Museu Municipal de Monte Mor

Artigo

em

Por

Prefeito Edivaldo Brischi deu as boas vindas aos indígenas participantes do projeto.

O projeto de construção de uma Habitação Indígena (Opy), nas dependências externas do Museu Municipal de Monte Mor “Elizabeth Aytai”, foi retomado nesta segunda-feira, dia 24. É importante destacar que o museu do município, idealizado pelo museólogo, Desiderio Aytai, reconhecido nacionalmente, tornou-se referência em todo país. O local, inclusive, faz guarda de material arqueológico de escavações por todo o Estado de São Paulo. 

LEIA TAMBÉM

O prefeito Edivaldo Brischi (PTB) deu as boas vindas aos indígenas da etnia Guarani mbya, que vieram da Tekoa (Aldeia) Rio Silveiras, originária da cidade de Bertioga, no litoral Sul de São Paulo, especialmente para participar da ação. Na ocasião, participaram também da recepção aos indígenas a secretária municipal de Desenvolvimento Econômico e Social, Elaine Ravin Brischi; o secretário de Educação, Cultura e Turismo, Mario Cezar Franco; do diretor de Turismo, Nelson Brasil; do coordenador de Projetos Culturais, Marcelo Lírio; e do chefe de Cultura, Ronaldo Correa.

A realização é da Secretaria de Educação, Cultura e Turismo, por meio da Diretoria de Cultura e Turismo, em parceria com a empresa MATIS Consultoria em Arqueologia. É importante destacar que a construção do empreendimento  histórico teve início no dia 16 de fevereiro deste ano e somente foi interrompido, em função da Fase Vermelha, seguida pela Fase de Transição, imposta pelo Plano São Paulo, perante a pandemia da COVID-19. 

O projeto está sendo executado pelo Txaramoi (conhecedor das ervas), Sergio Karay, juntamente com sua filha, que é coordenadora do Coletivo Etno Cidades e trabalha com indígenas em situação urbana, Lu Ahamy. Também participarão da construção da Opy os indígenas, Daniel Awa Mbaraetea, Gildo Nhamandu’ai e Vagner Tupã. 

De acordo com a Diretoria de Cultura e Turismo a construção deverá ser realizada em cerca de um mês e depois de pronta a Opy servirá como polo de realização de projetos para valorização da cultura indígenas. A intenção é realizar no local oficinas e atividades culturais e artísticas dos povos originários.

Continue lendo
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

TAGS

+ VISTOS

Copyright © 2021 powered by NH TV.