Connect with us

Brasil

Guedes diz que dólar deveria estar descendo, mas barulho político não deixa

Artigo

em

O ministro Paulo Guedes (Economia) afirmou nesta terça-feira (14) que o dólar deveria estar descendo, mas isso não ocorre porque o “barulho político” não deixa. Segundo ele, o câmbio de equilíbrio no país deveria ser entre R$ 3,80 e R$ 4,20.

Como mostrou a Folha, membros do Ministério da Economia vinham demonstrando preocupação com a radicalização de discursos do presidente Jair Bolsonaro, sob a avaliação de que os ataques feitos pelo mandatário impactam indicadores econômicos e o dólar, atingem diretamente a população e dificultam a retomada da atividade. Analistas de mercado compartilham dessa avaliação.

LEIA TAMBÉM
Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Em evento do BTG Pactual, Guedes disse que “os atores cometem excessos”, citando como exemplo Bolsonaro e ministros do STF (Supremo Tribunal Federal). Para ele, o dólar deveria estar em outra trajetória.

“Estamos indo para meio trilhão de dólares de corrente de comércio com o mundo, nunca aconteceu antes, US$ 100 bilhões na balança comercial, nunca aconteceu antes. [] Então, esse dólar já era para estar descendo mesmo, mas o barulho político não deixa descer”, disse.

“Não tem problema. Mais tempo para as exportações, para nossa substituição de importações ir funcionando. Não tem problema, não temos pressa, o negócio é fazer a coisa certa”, afirmou.

Segundo o ministro, o atual governo corrigiu fundamentos da economia ao alterar a trajetória de gastos públicos. Segundo ele, esse cenário levaria os juros a patamares mais baixos e o dólar a um valor um pouco mais alto. Para o ministro, no entanto, esse valor de equilíbrio deveria ser mais baixo atualmente.

“O câmbio de equilíbrio devia ser hoje uns R$ 4,00, R$ 3,80 se estivesse tudo normal”, disse.

Nesta terça, a moeda americana operou em R$ 5,25.

No evento, Guedes afirmou que a democracia brasileira é resiliente e sofisticada. Para ele, as instituições são robustas o suficiente para corrigirem excessos.

“Os atores cometem excessos, às vezes o presidente sai do cercado, às vezes um ministro do STF prende pessoas, toda hora tem um que pula fora da cerca, dá um passeio no lado selvagem. O que acontece? As instituições se aperfeiçoam e convidam o cidadão a voltar para o cercadinho. São robustas as instituições”, afirmou.

Guedes levou a plateia do evento aos risos ao afirmar que se tornou uma força moderadora.

“Eu era um cara agitado. Nunca pensei que, por falta de serenidade, eu fosse virar o sujeito moderado. Eu sou hoje uma força moderadora, estou impressionadíssimo, acho que estou muito velho”, disse.

“Pelo amor de Deus, faltam dez meses para uma eleição. Nós vamos inventar o que agora? O presidente tem apoio popular grande e não cruzou a linha, obedeceu todas as instruções”, completou o ministro.

Na avaliação de membros do Ministério da Economia, a falta de confiança no país vem afastando investimentos e pressionando a moeda americana.

O dólar em patamar elevado empurra para cima a inflação, colaborando para que o preço dos alimentos nos mercados fique mais alto. O problema é tratado como uma das principais fragilidades do governo, podendo afetar a popularidade do presidente em ano eleitoral.

Esse efeito ocorre porque diversos produtos consumidos em grande escala no país são precificados em dólar, como carne, açúcar, café e óleo de soja, além de combustíveis. O dólar mais alto também encarece o que o Brasil importa, como componentes eletrônicos e insumos agrícolas.

A turbulência gerada pelas dúvidas em relação à condução do governo ainda pressionam para cima os juros de mercado, o que encarece o crédito às famílias e o financiamento das empresas, além de ampliar o custo de administração da dívida pública pelo governo.

O Brasil vem sofrendo uma queda no ingresso de investimentos estrangeiros produtivos, e até empresas brasileiras evitam trazer ao país dólares obtidos em exportações, que cresceram muito nos últimos meses.

A nova tendência engrossa o que vem sendo chamado de “custo Bolsonaro”. Ele é identificado como a transmissão para a economia da instabilidade política alimentada pelo presidente Jair Bolsonaro, com declarações golpistas, confronto com outros Poderes e questionamentos sobre o processo eleitoral.

O resultado tem sido a deterioração de indicadores financeiros (índice Bovespa, dólar, inflação e juros futuros) e, mais recentemente, a paralisação dos planos de investidores estrangeiros e locais de ampliar a produção e o emprego no Brasil.

Cálculos feitos em agosto pelo economista Livio Ribeiro, do Ibre/FGV (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas), já apontavam que os fundamentos econômicos do Brasil, sobretudo por causa das contas externas equilibradas, não justificam o dólar acima de R$ 5,00.

As contas do economista apontavam para um patamar próximo ao mencionado nesta terça por Guedes. Pelo cálculo, sem “o gol contra da bagunça institucional” atual, a moeda norte-americana poderia valer ao redor de R$ 4,20.

No evento, Guedes voltou a criticar economistas que, para ele, têm visão pessimista sobre o país. O ministro afirmou que há um discurso de “profecia do fim do mundo” de pessoas que fazem uma “rolagem da desgraça”.

Segundo ele, especialistas apostaram em uma queda mais forte da economia no ano passado e erraram, depois projetaram que a atividade não se recuperaria em 2021 e erraram. Agora, para Guedes, essas pessoas estão empurrando as estimativas negativas para 2022.

Brasil

Justiça decreta prisão temporária de suspeito de matar neto de Luciano do Valle

Artigo

em

Por

A Polícia Civil prendeu um dos suspeitos de participar do roubo que terminou com a morte Lucas do Valle Oliveira, 29, neto do narrador esportivo Luciano do Valle (1947-2014). A moto utilizada no crime foi apreendida.

Segundo a SSP (Secretaria da Segurança Pública de São Paulo ), a prisão temporária do suspeito, proprietário da moto apreendida, foi decretada pela Justiça.

LEIA TAMBÉM
Foto: Reprodução

O nome do homem preso e mais detalhes não foram divulgados para não prejudicar as investigações que estão sendo realizadas pelo 17º DP (Ipiranga).

Lucas foi baleado na cabeça durante um assalto, por volta das 6h20 da última quarta-feira (15), na região do Ipiranga (zona sul da capital paulista), quando se preparava para realizar gravações em uma quadra esportiva, na rua Gama Lobo.

Dois criminosos em uma moto, segundo a PM, teriam abordado Lucas e levaram o carro dele, um Hyundai Creta branco.

Uma câmera de monitoramento registrou o momento em que um dos criminosos atira contra a vítima. Neste momento seu comparsa, que guia uma moto, foge do local.

O atirador, de acordo com as imagens, corre até a esquina e, ao perceber que foi deixado para trás, volta correndo, embarca no carro de Lucas e foge com o veículo.

O carro foi encontrado logo após o roubo na rua do Lago, a cerca de dois quilômetros de distância do local onde Lucas foi ferido a tiros.

O neto do narrador esportivo morreu na noite de sexta (17), após permanecer dois dias internado, em estado grave, no hospital São Paulo, administrado pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). A morte foi confirmada pela jornalista Alessandra do Valle, mãe de Lucas, em postagem nas redes sociais.

Continue lendo

Brasil

Volume de chuvas na primavera será insuficiente para conter crise hídrica

Artigo

em

Por

volume de chuvas durante a primavera não será suficiente para encher os reservatórios de água e conter a crise hídrica que o país enfrenta.

LEIA TAMBÉM

Segundo a empresa de meteorologia Climatempo, as regiões Sudeste, Centro-Oeste e Norte terão aumento da frequência e do volume de chuvas entre os meses de outubro e novembro.

Foto: Sanepar

estação começa às 16h21 da próxima quarta-feira (22/9) e vai até as 12h59 de 21 de dezembro, quando se inicia o verão. As precipitações, no entanto, não serão suficientes para sanar a crise hídrica e energética e encher os principais reservatórios do país.

“Apesar da tendência de volume de chuva acima da média normal em áreas importantes para o abastecimento dos reservatórios para geração de energia, o volume de chuva ainda estará muito abaixo do necessário para regularizar a situação”, informou a Climatempo.

Em relação às temperaturas, o país ficará dentro ou acima da média normal em todas as regiões.

Leia a matéria completa no Portal Metrópoles, parceiro da Banda B.

Continue lendo

Brasil

Menino de 2 anos prende cabeça em panela de pressão no Ceará

Artigo

em

Por

Um menino de 2 anos ficou com a cabeça presa em uma panela de pressão após uma brincadeira. João Pedro Silva colocou a cabeça dentro do objeto para imitar “bumba meu boi” e não conseguiu mais tirá-la.

LEIA TAMBÉM
Foto: Arquivo Pessoal

Ele precisou ser levado para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Granjá (CE), na tarde desse sábado (18/9), para receber atendimento médico. As informações são do portal G1.

De acordo com a mãe, Keciane Silva, a cabeça do menino começou a ficar inchada e, mesmo com a ajuda do pai para tentar tirar a panela, João Pedro acabou mais desesperado.

Para ler a matéria completa, acesse o portal Metrópoles, parceiro da Banda B, clicando aqui.

Continue lendo
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

TAGS

+ VISTOS

Copyright © 2021 powered by NH TV.