(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

Visando debater a importância de bons projetos de infraestrutura tanto com o setor público, quanto com o privado, nesta segunda-feira (29/6) o Correio, em parceria com a Federação Nacional dos Despachantes Aduaneiros (Feaduaneiros), promove o webinar Correio Talks: Portos e fronteiras do Brasil: infraestrutura logística e competitividade. A transmissão é feita ao vivo e pode ser acompanhada no site e pelas redes sociais do jornal. 

A primeira participante do seminário online foi Ana Amélia Lemos, ex-senadora do Partido Progressista (PP-RS). Ela falou sobre a importância do governo pensar em realizar concessões para obras de infraestrutura. “Penso que esse debate serve como balizador para estabelecer novas regras ou que o governo tome iniciativa para estimular os investidores. É preciso, claro, para esses investidores a segurança jurídica necessária para que garanta a segurança do investimento feito”, pontuou em sua fala. 
Ainda de acordo com Ana Amélia, o atual ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, tem sido elogiado pelo desempenho que tem demonstrado em finalizar obras inacabadas. Como exemplo, a ex-senadora citou a transposição do Rio São Francisco. Ela lembrou também que recentemente foi aprovado o saneamento básico: “que tem haver com infraestrutura, com saúde, com economia e competitividade”. 
Ela destacou que o Brasil tem ótimas condições de iniciar um processo de concessões. “A eficiência que temos visto naquelas áreas que o estado faz concessões tem funcionado melhor, e eu posso dar o exemplo do Porto de Rio Grande, de Rio Grande do Sul, um dos mais eficientes, porque funciona com terminais que são concessões privadas e que funcionam muito bem e com custos razoáveis em relação a eficiência também”, exemplificou. Ela cita também a cita o município de Uruguaiana, também no Rio Grande do Sul, onde se concentra quase 70% do transporte rodoviário e, graças a concessão de um serviço de logística de uma empresa privada, o serviço agilizou-se enormemente , a burocracia na liberação das cargas. “Hoje passam por dia ali 600 caminhões dia,  um total de 9 mil caminhões por mês”, informa. 
Como exemplo de situação complicada, a ex-senadora comenta a duplicação da BR-290. “Para se ter noção da gravidade da situação, a BR-290, que chega a Uruguaiana, de 650 quilômetros, só estão duplicados 130 quilômetros, isso serve para ver o quanto ainda precisamos avançar”, pondera. “Evidentemente essa duplicação não é uma concessão, é orçamento do governo, orçamento da união”, complementa. 

Load More Related Articles
Load More By - redação
Load More In Brasil
Comments are closed.

Check Also

Coronavírus: veja as medidas adotadas pela Prefeitura do Rio de Janeiro nesta quinta-feira (09/07) contra a pandemia

Áreas de lazer ao ar livre serão abertas e horário de funcionamento dos shoppings será amp…